Você não tem permissão para ver essa notícia

Business Insights

A Jornada da Startup Emerging Giants - Edição 47

2 de março de 2020

Além disso, de acordo com a plataforma CB Insights, 42% das startups fracassam por não terem identificado uma necessidade do mercado, 29% não atingem os resultados esperados por ficarem sem recursos financeiros para investir, 23% dos negócios não tinham equipe necessária ao desenvolvimento e 17% ofertaram um produto fraco.

Importante destacar que aqueles empreendedores que querem obter sucesso na criação de startups realmente relevantes precisam seguir uma jornada extremamente árdua e não necessariamente gloriosa.

Basicamente essa trajetória começa com uma ideia, que deve evoluir para uma fase de testes com poucos recursos financeiros(conhecido como bootstrapping). Com a validação há um produto mínimo viável com integração de fundadores e investimentos de familiares e amigos de R$ 50 mil a R$ 500 mil, que evolui para o fase de lançamento. Com o crescimento, valida-se ou não o Product Market Fit, considerada como a convergência entre viabilidade técnica, economica e tamanho do mercado suficente para suportar taxas elevadas de crescimento. Neste momento, é normal, após a validação do Product Market Fit, a curva de crescimento ser acelerada e tendendo a exponencialidade, o que atrai investidores de capital de risco.

Seguindo a jornada, tem-se a formação do Emerging Giant, quando a empresa apresenta um crescimento regional/internacional e uma base ampla e crescente de clientes pagantes. Aqui já há geração de receitas mais robustas e uma verificação de Life Time Value (LTV) mais que saudável, ou seja, uma relação entre tempo e retorno oferecido por cada cliente pagante.

Após captações robustas com os fundos de investimento de Venture Capital, as empresas podem evoluir e atingir finalmente a fase Corporation, quando têm milhares de funcionários, passam a ser auditadas, apresentar relatórios periódicos a investidores e exige-se uma discussão madura sobre as opções de exit dos investidores. Aqui é que normalmente elas buscam se aproximar de investidores estratégicos (futuros M&A) e abertura de capital (IPOs).

Hoje, no Brasil e em todo o mundo, há basicamente dois tipos de empreendedores: os que atuam por necessidade ou oportunidade. Contudo, quem empreende por oportunidade no mercado de tecnologia, acaba criando algo relevante normalmente ao atacar grandes problemas da sociedade e inspirados em causas, sejam elas sociais, ambientais, de mobilidade, finanças, saúde, educação ou qualquer outro setor carente de uma atuação mais rápida e versátil no processo de oferta e prestação de serviços.

Retomando a discussão inicial deste artigo, a ideia mítica de empreendedores altamente criativos, que obtêm sucesso apenas com uma ideia, é absolutamente descolada da realidade. Este é apenas o primeiro passo, que precisa, obrigatoriamente, ser seguido por vários outros apresentados neste texto.

Em todas as etapas é necessário o foco na execução passo a passo para que a empresa em criação seja possa aprender com seus erros e crescer com os acertos e seja bem sucedida e realmente transforme a sociedade. Isso só ocorrerá, no entanto, se a criação buscar por disrupção, agilidade e algo realmente relevante à sociedade. Seguindo as etapas detalhadas anteriormente, estou certo de que os empreendedores estarão em melhor posição para melhorar as estatísticas de sucesso das startups brasileiras se tornarão muito mais relevantes.

Nenhum ()

Este site utiliza cookies para proporcionar a funcionalidade necessária e aprimorar sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar pelo site, você concorda com a utilização de cookies conforme descrito na declaração de privacidade on-line da KPMG. Você tem o direito de acessar seus dados pessoais para que sejam modificados, corrigidos ou excluídos. Para isso, você deve entrar em contato com privacidade@kpmg.com.br.