Você não tem permissão para ver essa notícia

Capital de Risco de Crédito

Cilene Simões comenta o impacto das alterações no capital de risco sobre as empresas.

na imagem tem um homem e uma mulher, ambos brancos vestindo roupa social

06 de dezembro de 2021


Observando as mudanças do mercado e visando melhorar a sensibilidade das empresas ao risco, o Banco Central (BC) elaborou uma nova estruturação para o capital de risco de crédito. A formação conta com novas características de riscos para traduzir melhor o ambiente do produto e oferecer melhores soluções para os riscos que o sistema financeiro enfrenta atualmente.

Essa reformulação foi divulgada pelo BC em dezembro de 2020, por meio de um edital de consulta pública. As principais mudanças propostas estão relacionadas aos fatores de ponderação de risco e aos fatores de conversão de crédito. As alterações devem entrar em vigor no dia 1° de janeiro de 2022.

Para entender mais sobre o capital de risco de crédito e as alterações que ele sofrerá, Lucio Anacleto, sócio-líder de Financial Risk Management da KPMG no Brasil, bateu um papo com Cilene Simões, gerente sênior de Gestão de Riscos da KPMG no Brasil.

Segundo Cilene, os maiores desafios dessa nova norma estão relacionados ao aumento da granularidade dos dados e à avaliação da mudança de capital por parte das instituições. Confira o podcast:

Ouça também:
Serviços financeiros em pauta
Inovação em meios de pagamentos
Prevenção à lavagem de dinheiro
Cibersecurity em serviços financeiros
Desafios do Open Finance
Agenda ESG no foco de investimentos
Sandbox Regulatório
Sistema de Registro de Operações
Normativo para capitalização de seguros

Acesse:
Desafios regulatórios de Financial Services 2021-2022

()