Você não tem permissão para ver essa notícia

Serviços Financeiros

Agenda dos CFOs

KPMG e IBEF promoveram evento para debater assuntos estratégicos para os líderes da área financeira.

19 de outubro de 2021
ilustração de um gráfico de barras crescente

O primeiro encontro CFO Trends – em novo formato idealizado e cocriado pela KPMG e pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças, o IBEF São Paulo – aconteceu no dia 1° de outubro. Este novo formato do CFO Trends consistirá em uma série de eventos que terão como objetivo debater e oferecer uma visão integral sobre as questões mais relevantes e estratégicas para os CFOs.

Nessa primeira edição da série, o tema abordado foi a reforma tributária. O encontro foi moderado pela Gersoni Munhoz, líder da Comissão de Tributos do instituto e contou com a participação de profissionais da KPMG. “Para que possam ser mais competitivos, os diferentes empreendedores que compõem o nosso mercado dependem de um sistema tributário mais simplificado e menos oneroso, que alavanque o crescimento e, principalmente, que dê segurança ao investidor externo vir ao Brasil”, destacou Charles Krieck, presidente da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Para contextualizar o assunto como um todo, Marcus Vinícius, sócio-líder de Tax da KPMG no Brasil e na América do Sul, trouxe um panorama sobre o tema e explicou as quatro fases que compõem a reforma tributária proposta pelo Governo Federal e as Propostas de Emenda Complementar que tramitam na Câmara e no Senado.

Morivan Fernandes, sócio-diretor de Tax da KPMG no Brasil, também participou dessa primeira edição do evento. Segundo ele, esta fase da reforma tributária está estruturada em quatro pilares: a tributação de lucros e dividendos, e extinção dos juros sobre capital próprio; a redução da alíquota do imposto de renda; a atualização da tabela progressiva de tributação de renda da pessoa física; e a simplificação da tributação das operações realizadas no mercado financeiro.

Marcus Vinicius e Morivan comentaram sobre as alterações na legislação propostas no texto do Substitutivo ao Projeto de Lei nº 2.337 de 2021, aprovado pela Câmara no início de setembro de 2021 e em tramitação no Senado e ressaltaram os principais impactos setoriais provocados por estas mudanças, com destaque para os setores farmacêutico e químico, financeiro e serviços.

Além desses setores, empresas de capital aberto também serão impactadas de forma relevante, em razão da política de distribuição de dividendos, muitas vezes maior do que as empresas de capital fechado.

“A reforma atingirá todos os setores e por isso houve movimentações de diversas entidades setoriais enquanto a proposta tramitava na Câmara. Ou seja, tivemos uma mobilização bastante heterogênea, demonstrando a preocupação com esses impactos”, relatou o sócio-líder de Tax da KPMG. 

O evento ocorreu em formato online, e a gravação está disponível na íntegra. Assista a seguir:

Para os próximos encontros da jornada CFO Trends, marcados para novembro e dezembro, outras questões de destaque para as lideranças da área financeira estarão em pauta, como transformação digital e ESG. Acompanhe as novidades.

()

Este site utiliza cookies para proporcionar a funcionalidade necessária e aprimorar sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar pelo site, você concorda com a utilização de cookies conforme descrito na declaração de privacidade on-line da KPMG. Você tem o direito de acessar seus dados pessoais para que sejam modificados, corrigidos ou excluídos. Para isso, você deve entrar em contato com privacidade@kpmg.com.br.