Você não tem permissão para ver essa notícia

Gestão de caixa e liquidez durante a crise

Publicação da KPMG analisa respostas das instituições para a pandemia.

dois homens conversando

21 de janeiro de 2021


Todos os níveis organizacionais, sejam estratégicos, táticos e operacionais, necessitam de uma boa gestão de caixa e capital de giro. O impacto da pandemia da Covid-19 trouxe complicações para essas práticas. A gestão do risco de liquidez e caixa, especialmente em curto prazo, tornou-se desafiadora.

A publicação Gestão de Caixa e Risco de Liquidez, produzida pela área de Financial Risk Management (FRM) da KPMG no Brasil em parceria com as firmas-membro da Argentina, Peru, Chile e Cômbia, traz uma análise das ferramentas que podem fortalecer o processo de gestão e reduzir os impactos, redirecionando as organizações para a busca de eficiência e oportunidades de melhoria.

A gestão dos riscos de liquidez é fundamental para garantir que o negócio mantenha um nível de caixa ou ativos suficientes para assegurar o pagamento das obrigações financeiras, criar projeções, otimizar capital de giro e até reduzir custos.

Para as instituições do setor financeiro, os desafios foram gerados pelo aumento da inadimplência, reprogramação dos pagamentos ou repactuação das condições de empréstimos e maior frequência de saques, entre outros.

Diante de dúvidas sobre o cenário desfavorável, a publicação da KPMG apresenta práticas que contribuem para a redução dos riscos a partir de pontos como avaliação da disponibilidade operacional, ajuste de modelos para análise de cenários e plano de financiamento e de recuperação, entre outros.

Considerando as instituições não financeiras, o plano estratégico para reduzir os riscos deve ter o propósito de sustentabilidade da liquidez e controle das disponibilidades e da previsão de caixa.

A tecnologia é uma forte aliada para suportar as análises e auxiliar na criação dos planos de contingência. Acesse o estudo completo clicando aqui para conhecer as soluções da KPMG.

()