Você não tem permissão para ver essa notícia

Inclusão e Diversidade

Dia da Consciência Negra

Por que a KPMG apoia essa bandeira.

20 de novembro de 2020

A cada 20 de novembro, refletimos sobre o Dia da Consciência Negra, data que representa a união e a luta da população negra do Brasil. A KPMG está comprometida com a promoção de inclusão e diversidade e o combate ao racismo por meio do Ebony, seu pilar do Comitê de Inclusão e Diversidade, criado para tratar das questões de raça e etnia.

Nossa organização acredita que uma das formas de enfrentamento e combate ao racismo é o reconhecimento de privilégios das pessoas brancas e o fomento de oportunidades para pessoas negras. Por isso, internamente trabalhamos para a conscientização com relação ao racismo institucional e a promoção da igualdade racial, entendendo que a solução virá da união de todos contra a discriminação.

A KPMG também realiza e apoia ações afirmativas para ampliar as oportunidades e a representatividade das pessoas negras. Neste ano, destacamos o lançamento do programa #impulse, uma parceria com a EF – Education First destinada a jovens negras e negros para o acesso ao ensino virtual da língua inglesa, jornada digital na plataforma da KPMG Business School e mentoria/networking e o Conselheira101, iniciativa para fomentar o ingresso de mulheres negras nos conselhos de administração.

Fica registrado aqui o nosso apoio à luta do movimento negro. Estamos engajados em ações transformadoras em nossas comunidades para o combate ao racismo, em favor de um mundo mais inclusivo e justo.

Dia da Consciência Negra

Instituído oficialmente pela Lei nº 12.519, em 2011, como Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, a data faz referência à morte de Zumbi dos Palmares, símbolo de luta e resistência negra contra a escravidão.

A idealização do Dia da Consciência Negra ocorreu em 1970, década em que detalhes sobre a morte de Zumbi foram descobertos, e os movimentos sociais retomaram a sua força no Brasil. Em 1978, o movimento negro elegeu Zumbi como o símbolo de luta das pessoas negras no Brasil. Morto em 1695 por bandeirantes, Zumbi dos Palmares foi um dos líderes do maior quilombo da história do Brasil.

A data de 13 de maio chegou a ser discutida em referência à abolição do trabalho escravizado em 1888. Entretanto foi intensamente questionada pela comunidade negra por ter sido um processo que se fez sem a criação de assistência alguma à população negra até então escravizada.

Além da criação do Dia da Consciência Negra, o movimento negro conquistou outros direitos, como:

  • Lei de preconceito de raça ou cor
  • Lei da cota racial
  • Lei que instituiu a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileira

Ainda há, no entanto, muito para ser conquistado. Dados do IBGE revelam a desigualdade social e o racismo:

  • 56% da população autodeclara-se negra, mas apenas 4% dos políticos eleitos para o Legislativo, em 2018, são negros.
  • Negros representam 75% dos mais pobres.
  • 76% dos mortos pela polícia são negros.
  • Trabalhadores negros recebem menos em comparação aos brancos.
  • Negros representam menos que 5% da liderança nas empresas.

()

Este site utiliza cookies para proporcionar a funcionalidade necessária e aprimorar sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar pelo site, você concorda com a utilização de cookies conforme descrito na declaração de privacidade on-line da KPMG. Você tem o direito de acessar seus dados pessoais para que sejam modificados, corrigidos ou excluídos. Para isso, você deve entrar em contato com privacidade@kpmg.com.br.