Você não tem permissão para ver essa notícia

A aliança estratégica KPMG-BMI

KPMG Insights e Oportunidades debateu a jornada conjunta das duas empresas, unindo tecnologia e pessoas para enfrentar os atuais desafios.

coutinho, daniel e jean

08 de julho de 2022


Inovação tecnológica e pessoas: esses dois temas, que estão no DNA da KPMG e da BMI (Blue Management Institute), são hoje centrais para qualquer modelo de negócios, na opinião de Daniel Motta, sócio-fundador e CEO da BMI, convidado do programa KPMG Insights e Oportunidades, que foi ao ar na última quinta, dia 7.

No programa, que também contou com a presença de André Coutinho, sócio-líder de Advisory da KPMG no Brasil e na América do Sul, foram debatidas as principais oportunidades que devem surgir a partir da aliança estratégica entre KPMG e BMI, que pretende gerar uma transformação sustentada por tecnologia e capital humano.

Ao longo da conversa, os convidados destacaram a importância do chamado “High Tech/High Touch”, conceito que elabora um digital com rosto humano. Para Daniel Motta, o crescimento de temas como ESG, inclusão e diversidade, advocacy e saúde mental, dentre outros, tem transformado as discussões nas empresas, que hoje precisam gerar valor por meio do propósito.

“Aquelas analogias da empresa como uma máquina ou uma engrenagem, hoje, já estão antiquadas, nós precisamos pautar as problemáticas dos tempos em que vivemos. A soma do High Tech e High Touch traz essas pautas humanas para uma organização que, muitas vezes, estava acostumada a apenas entregar produto. São essas transformações que estão no foco da aliança entre KPMG e BMI”, destacou.

No bate-papo, que teve mediação de Jean Paraskevopoulos, sócio-líder de Clients & Markets da KPMG no Brasil e na América do Sul, os convidados também debateram a importância da gestão de mudanças nas empresas, além da transformação das relações de trabalho e do novo perfil dos profissionais, que hoje demandam maior flexibilidade e poder de decisão.

“Em momentos de incerteza, o mais importante é estar próximo das pessoas e escutá-las. Sem considerar a importância do employee experience, fica muito difícil para qualquer negócio fazer uma retenção de talentos, porque os talentos estão buscando ambientes de trabalho que oferecem flexibilidade, modelos híbridos bem trabalhados. E na KPMG temos olhado muito para isso”, ressaltou André Coutinho.

Para conferir todos os insights, assista à edição completa do programa!

()