Você não tem permissão para ver essa notícia

O perfil do fraudador com enfoque no setor de mercados industriais

Pesquisa da KPMG revela quem são e como agem dentro das empresas.

ilustração de um hacker

22 de junho de 2022


Homem, entre 26 e 45 anos de idade, que trabalha em uma empresa por um período de um a quatro anos. Esse é o perfil mais comum de fraudadores que atuam na empresa onde trabalham, segundo a “Pesquisa Perfil do Fraudador 2021”, realizada pela KPMG com enfoque no setor de mercados industriais.

De acordo com o estudo, que contou com a participação de 120 profissionais das áreas de Compliance, Investigações e Auditoria Interna, o fraudador interno geralmente é especialista, coordenador ou gerente nas áreas de Operações, Compras, Comercial ou Gestão em geral.

Essas áreas registraram maior índice de ação dos fraudadores internos. Uma das explicações é que nessas áreas há grande volume de contratações de fornecedores e prestadores de serviços, transações que podem ser facilmente superfaturadas, o que é difícil de ser comprovado.

Ainda segundo o levantamento, o investimento nas áreas de Compliance e Auditoria é essencial no combate às fraudes, já que essas áreas respondem por grande parte (88%) das identificações de fraudes.

E para combater esse crime, 74% dos entrevistados disseram que há em suas empresas uma metodologia formal para investigar as fraudes. Como ferramenta de denúncia, a maioria dos respondentes (89%) mencionou a existência de um canal exclusivo para captação e gestão de fraudes. 

As fraudes mais comuns no Brasil:

  • Conflitos de interesses
  • Furto ou roubo de ativos
  • Adulteração de documentos
  • Vazamento/violação de dados ou informações

Para conferir mais detalhes sobre a pesquisa, clique aqui.

()