Você não tem permissão para ver essa notícia

O protagonismo digital da China

KPMG Insights e Oportunidades debateu os segredos da inovação tecnológica chinesa e as oportunidades para o Brasil.

13 de junho de 2022


Com um crescimento recorde nas últimas décadas e hoje responsável por cerca de 21% do PIB mundial, a China se tornou um polo global de inovação, com grande capacidade de geração de negócios e um mercado consumidor que enseja muitas oportunidades para a América Latina, em especial o Brasil.

Ancorada num robusto ecossistema digital, o gigante asiático é hoje um tópico central nas discussões sobre inovação tecnológica. Por isso o programa KPMG Insights e Oportunidades recebeu, na última quinta, dia 9, Daniel Lau, sócio-líder do China Desk na América do Sul, que falou sobre a acelerada transformação digital que levou o país à condição de segundo maior polo de unicórnios do mundo.

“O ecossistema de inovação chinês permite a integração de quase 10 mil startups, com Venture Capitals, muito capital e muita intensidade de trabalho. A China é hoje um país permeado por novas startups e unicórnios, com um ecossistema vibrante, desafiador e, principalmente, muito competitivo”, destacou.

Em conversa com Jean Paraskevopoulos, sócio-líder de Clients & Markets da KPMG no Brasil e na América do Sul, e Franceli Jodas, sócia-líder de Power & Utilities da KPMG no Brasil, Lau trouxe detalhes sobre o sistema live sales, nova estratégia de e-commerce que, no ano passado, movimentou 350 bilhões de dólares na economia chinesa, e que consiste nas vendas em tempo real através de influenciadores digitais, um método que aposta na confiança e empatia dos consumidores.

Ao longo do programa, o líder do China Desk também falou sobre as inovações do metaverso na China, além das oportunidades de investimento para as empresas brasileiras, com destaque para a chegada ao Brasil da Belt and Road Initiative (BRI), uma iniciativa de investimentos com foco em infraestrutura, saneamento e energia renovável promovida pela China ao redor do mundo.

“Hoje o BRI está olhando, principalmente, para projetos sustentáveis e investimentos em ecossistemas digitais. É fundamental olhar para onde esses investimentos estão indo para conseguirmos novas parcerias com essas empresas chinesas que estão investindo no Brasil”, ressaltou Lau.

Para conferir todos os detalhes do debate, assista aqui à edição completa do KPMG Insights e Oportunidades!

 

()