Você não tem permissão para ver essa notícia

Segurança cibernética contra risco humano

Estudo da KPMG revela como o erro humano pode se tornar fraqueza para a segurança.

pessoa em pé em um campo a noite

23 de fevereiro de 2022


Com o avanço da transformação digital, aumentaram também os riscos de ataques cibernéticos que comprometem a segurança dos dados e das redes. O estudo “Firewall Humano: Superando o Fator de Risco Humano na Segurança Cibernética”, desenvolvido pela KPMG, mostra que empresas investem milhões de dólares em soluções tecnológicas modernas, mas continuam sendo vítimas de hackers.

Com a baixa proteção, os hackers encontram abertura para esquemas de phishing - onde as pessoas enganadas passam dados confidenciais. Esse tipo de ataque é responsável por mais de 80% dos incidentes de segurança reportados, e estatísticas apontam que cerca de US$ 17.700 são perdidos a cada minuto com esses ataques.

A publicação aponta que um dos caminhos para amenizar o problema é uma mudança cultural, para que os profissionais entendam a importância do tema e que ele seja tratado constantemente ao longo do ano, não como uma medida eventual.

Ampliar a conscientização dos riscos é importante para construir iniciativas de segurança integradas para as empresas. O estudo contribui para o tema ao indicar cinco etapas que podem ser exploradas neste cenário que são: a aplicação de técnicas de aprendizagem focadas em profissionais, uso de práticas de gestão para reforçar as mudanças necessárias no comportamento, desenvolvimento de treinamentos mais envolventes com o uso de tecnologia inovadora, personalização da experiência para torná-la memorável e organização de informações em torno de um tema que é comunicado regularmente.

Confira todos os insights do estudo na íntegra, clique aqui!

()